Título do TCC:

Uso de painéis adesivos e atrativos alimentares no monitoramento e controle de tripes em tomateiro


Autores:

Antonio Carlos Gruckowski


Orientadores:

Rafael Borges


Assunto:

Solanum lycopersicum, Thysanoptera, Frankliniella spp, Manejo de pragas


Resumo:

O cultivo de tomateiro (Solanum lycopersicum Mill) é uma das mais importantes atividades agrícolas da região do Alto Vale do Rio do Peixe, e é afetada por expressivas quebras de rendimento e depreciação da qualidade dos frutos em razão da ocorrência principalmente de pragas e doenças. Em todos os sistemas de produção de tomates da região, os tripes, Frankliniella spp., (Thysanoptera: Thripidae) são considerados praga-chave. O clima regional com temperaturas e umidade relativa elevada durante a época de plantio, favorecem o aumento populacional da praga. Os tripes causam danos diretos, com raspagens em toda a parte aérea da planta, mas são os danos indiretos, os mais significativos, pois tornam-se vetores e passam a transmitir viroses após alimentarem-se de plantas doentes e contraírem o vírus conhecido popularmente como o “vira-cabeça,” espécie de vírus do gênero tospovírus. A principal dificuldade de controle do tripes está relacionada com o hábito do inseto de se proteger na parte abaxial das folhas e flores dificultando a ação dos inseticidas. Isso pode ser contornado com a mistura de compostos adjuvantes que promovem a maior exposição dos insetos. O monitoramento também carece de métodos mais práticos que facilitem a tomada de decisão dos agricultores quanto ao momento ideal de controle. Neste sentido este trabalho avaliou na região de Caçador (SC), o uso de painéis coloridos associados a atrativos botânicos (óleo resina de plantas que atraem e desalojam insetos) através de um ensaio monitoramento (realizado em quatro blocos com seis tratamentos no delineamento experimental em blocos casualizados). Em um segundo ensaio de controle avaliou-se por amostragem de painéis adesivos e batida de ponteiros o uso dois adjuvantes OVI e NOC (óleo resina de plantas que atraem e desalojam o inseto) adicionados à calda de pulverização associados a um inseticida neonicotinóide (aplicados em sete blocos com três tratamentos por bloco), objetivando o controle dos tripes em tomateiros. Paralelamente avaliou-se o número de plantas com virose através de contagem de plantas com sintomas. Os resultados do ensaio de monitoramento mostram a distribuição desuniforme da população na área e superioridade do painel amarelo e amarelo + atrativo A em relação ao painel azul + atrativo B. No ensaio de controle o adjuvante (NOC) atraiu mais tripes somente em uma das seis amostragens sem que houvesse o controle pelo inseticida. Nas amostragens de plantas com sintomas de virose não houve diferenças significativas entre os tratamentos.


PDF:
Download

Indexado em: setembro 1, 2021
Cursos Associados: Agronomia
Tags Associadas: Nenhuma Tag associada a publicação